Siah Javaheri - Vencedora Prémio Tendência da Oriflame

Siah Javaheri - Vencedora Prémio Tendência da Oriflame

A primeira vencedora do Prémio Tendência da Oriflame, Siah Javaheri, é estudante do Beckmans College of Design de Estocolmo. Criou uma coleção com o seu nome, exclusiva para a Oriflame. A Oriflame falou com ela, enquanto aguardava ansiosa o lançamento da coleção.


Siah Javaheri
Como se sentiu ao vencer o Prémio Tendência da Oriflame?
Quando descobri que era a vencedora fiquei extremamente surpreendida – nunca pensei ganhar! Acho que ainda não me apercebi da verdadeira dimensão de tudo isto. A maioria dos designers têm que trabalhar anos até conseguirem ver um produto seu ser lançado no mercado, e eu estou a concretizar isso agora, ainda estudante - não podia estar mais feliz!


Como descreve a experiência de conceber uma coleção de acessórios para a Oriflame?
Foi incrível. Inicialmente pediram-me para criar três a cinco acessórios – mas no final acabámos com seis. Tive liberdade para criar o que quisesse, mas optei pelas malas porque já o tinha feito antes, e depois achei que uma écharpe seria o complemento ideal para as malas. Também queria criar joalharia, pois é necessária uma equipa com muito conhecimento para criar protótipos, tornando quase impossível fazê-lo sozinha, então achei que era uma grande oportunidade para o fazer.


Já tinha tentado criar joalharia antes?
Já tinha concebido malas em pele e pulseiras para a minha própria marca, mas sempre tive interesse em usar metais e pedras. Na realidade há uma tradição de criação de jóias na minha família; o meu pai, o meu avô, e o meu bisavô trabalharam todos no ramo.



Pediu conselhos à sua família?
Mostrei algumas maquetes ao meu pai, mas o processo foi tão rápido que tive que tomar todas as decisões sozinha - mas ele confia no meu gosto!


Em que se inspirou para criar esta coleção?
O artista Giacomo Balla, de quem ouvi falar pela primeira vez numa aula, foi a inspiração para esta coleção. Pensei na forma tão interessante como Balla ilustrava o movimento e a velocidade – ele tinha uma forma de pensar progressista. Quis usar isso. Por exemplo, as linhas e curvas das malas foram inspiradas nos desenhos de fatos de Balla, que apresentavam linhas assimétricas, tão diferentes das usadas no seu tempo.


A sua coleção será vendida em todo o mundo, tinha isto em mente quando a criou?
Pensei muito nisso. É o nosso trabalho enquanto designers – pensar no consumidor final. Pensei que seria fantástico se criasse uma coleção que falasse a mulheres em todo o mundo. Adorei o desafio!



Tem uma peça preferida?
Hum… Isso é como perguntar a alguém qual o seu filho favorito! É demasiado difícil – adoro todas.


Talvez uma característica particularmente especial?
A pérola negra na coleção de joias é incrivelmente simbólica para mim, porque um dos amigos mais chegados da minha família costumava chamar-me pérola negra quando era mais nova – ele dizia que eu era uma pessoa muito rara. Por isso, sim, essa é uma característica importante para mim.


Sem dúvida uma história linda! Tem uma peça preferida na sua coleção de joias?
Um anel que nunca uso porque é demasiado precioso! Trata-se de uma antiguidade em forma de flor. Foi-me oferecida pela minha mãe e está na família há décadas.

Fonte: oriflame.pt

Sem comentários